Jack Mello 2017-08-15T21:33:44+00:00

Jack MELLO

A FLORESTA

Contrastando as cores através de um borrão de tinta, surgiu espontaneamente uma imagem de grande floresta!

Em todos os detalhes que compus para essa obra, vejo-me como um grande pássaro sobrevoando esses lindos campos com suas cores vibrantes e a sobriedade das imagens.

ILHA

Surgindo através de um borrão de tinta, a floresta transmite em suas formas uma grande sensação de solidão e interiorização que se traduz na fusão das cores com a sobriedade dos grafismos.

A ilha nada mais e que um pensamento em transe, um olhar distante e uma descoberta da paz que encontramos ao fechar os olhos.

Nascido na Bahia, nordeste do Brasil, Jack Mello entra para o rang dos inumeros auto-didatas das artes plastiques.
Aos vinte anos sua inspiração se atiçou pelo fato de habitar em um apartamento branco com poucos móveis que dava-lhe a impressão de habitar em um laboratório. Quando em 1994, a sustentabilidade ainda não estava em voga foi convidado à redecorar uma renomada “Kravitz” casa noturna de São Paulo.Continuando a ser incentivado , suas criações artísticas foram expostas no espaço Qualytum onde outros designers reputados tais como irmãos Campana, também expuseram. Após um ano,inicia a comercialização de suas obras ; esculturas e luminárias e é convidado a expor em caracter individual neste mesmo espaço. A tématica continua por mateirais reciclados e a exposição é nomeada : “RE – EXISTENCIA”. A repercussão positiva desta exposição dada pela imprensa, favoriza a continuidade da mesma ainda no mesmo ano na estação Sao Bento do metro de São Paulo.

Em 1966 recebe o convite para participar da reforma de um reputado teatro da capital de São Paulo ; o Pirandelo e nesta empreitada utiliza alumínio, latão, massa acrílica e spray como materiais. No ano de 1997, no Rio de Janeiro, o evento O BRASIL FAZ DESIGN expõe em carater coletivo.Por un período de quinze anos, desenvolve consultorias de marchandise, visual de moda, cria novos modelos de vestuario e acessorios para cães. Mas a necessidade latente de retornar à atividade mais artística, o desenho por exemplo é imperativa.

Em outubro 2014, realiza em São Paulo a exposiação individual “ENTRE GUERREIROS E ANJOS” no espaço “INOVE”. A tônica desta exposição é mostrar a visão do artista sobre a batalha do homem na conquista do seu proprio espaço físico e intelectual. Nesse momento os materiais se diversificarão. Agora é o momento para o nanquim. Com traços muito finos acompanhados por pontilhamentos que compõem imagens surrealistas e fantasiosas, deram corpo a uma produção de trinta e cinco obras.

Seguindo a mesma proposta dos desenhos, um ano depois uma nova exposição ,”ENTRETANTO” no espaço Piola em Sao Paulo. Nesta fase o trabalho mostrava de forma mais dramática e irreverente com desenhos que surgiam através dos borrões de tinta. E com as imagens e idéias que emergiam entre tantas coisas, formavam-se neste contexto : contos, histórias e até romances vistos pela óptica do artista sobre os percauços da vida.

Estréia por convite de BresilArtFrance no mercado internacional com a mostra de duas obras à ocasião do Salon ArtShopping Carrousel du Louvre em maio de 2016.